A+ A-

Igreja


Igreja - 27/04/2017    Comentar   Facebook
Fechar

Comentar

Igreja Católica abraça a causa dos trabalhadores dizendo que não se pode colocar os interesses do mercado acima das necessidades da população

Capa

O bispo Dom José Carlos de Souza Campos, da Diocese de Divinópolis, assinou o manifesto liderado pela Arquidiocese de Belo Horizonte contra a proposta que prevê a reforma da Previdência Social. O texto diz que “é indispensável que a sociedade seja ouvida e que se criem mecanismos de participação dos cidadãos nesse processo”. 

A igreja não se identifica com políticos ou interesses partidários, mas não vai ficar fora da discussão, entendendo que as mudanças e o aprimoramento das políticas são necessários, desde que aperfeiçoadas as instituições democráticas. 

Segundo Dom José Carlos, nenhuma reforma pode operar em sentido contrário, trazendo o risco de aumentar as desigualdades que historicamente já caracterizam a sociedade brasileira. 

A CNBB também contesta a pressa com que o assunto está sendo tratado e faz questão de deixar claro também que não se pode colocar os interesses do mercado financeiro nem as razões de ordem econômica acima das necessidades da população. 

Para a CNBB, as mudanças nas regras de seguridade social têm de garantir a proteção aos vulneráveis, idosos, titulares do BPC, que é o Benefício de Prestação Continuada, além de enfermos, acidentados, trabalhadores de baixa renda e rurais.