A+ A-

Atualidade


Atualidade - 28/07/2016    Comentar   Facebook
Fechar

Comentar

NET demite funcionário que enviou mensagens pornográficas para cliente

Capa

A NET, empresa de serviços de comunicação, demitiu o funcionário suspeito de assediar uma cliente da operadora por meio do aplicativo de mensagens WhatsApp. A santista Juliana Barros afirmou que o ex-funcionário enviou mensagens com teor sexual a ela.


De acordo com a santista, o contato entre a vítima e suspeito começou no fim de junho, quando ele foi até a casa de Juliana para realizar um serviço de instalação de adaptador. Como ela não possuía o aparelho no momento do atendimento, deixou seu telefone de contato com a fotógrafa para acioná-lo assim que o equipamento fosse adquirido por ela.


Em nota, a NET informou que identificou o funcionário e o desligou da empresa. Além disso, afirmou que o caso está em apuração na esfera criminal, por meio de um boletim de ocorrência registrado pela cliente, e que a empresa permanece à disposição para colaborar com a investigação policial.


Juliana foi assediada por meio de mensagens e fez denuncia pelas redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)Juliana foi assediada por meio de mensagens
(Foto: Arquivo Pessoal)


Mensagens
Em contato com a reportagem, Juliana explicou como foi o contato do funcionário com ela.
"Mandei mensagem para ele, uma semana após a visita [começo de junho] avisando que não consegui encontrar o equipamento. Ele falou que ia me ajudar com um adaptador similar que ele tinha e me chamou de gata. Isso já chamou minha atenção, mas levei adiante", disse.


Dias depois, Juliana chamou o funcionário para entregar o equipamento. A fotógrafa conta que o rapaz chegou na residência tarde da noite. Por conta do horário, ela preferiu descer e pegar o aparelho na portaria.


No dia seguinte, o funcionário chamou Juliana e intensificou o assédio, o que assustou a fotógrafa.


"Primeiramente, ele começou falando coisas muito baixas. Em seguida, disse que toda burguesa quer tomar tapa na cara e me chamou de vaca. Essas últimas mensagens foram no dia 22 de julho", explicou a santista.


A vítima decidiu procurar a polícia e registrar um boletim de ocorrência. Juliana também publicou o ocorrido na sua página no Facebook.


Com muito medo da situação, a santista disse que não pretende receber prestadores de serviços em casa tão cedo. "Eu estava com um maníaco dentro de casa. Algo tem que ser feito, pois eles podem ter a mesma atitude com outras mulheres. Decidi falar sobre o que aconteceu comigo exatamente para que outras mulheres, que sofreram com isso, tenham coragem para denunciar", desabafa.




G1